Seu espaço

Acesse seu histórico clínico
e saiba novidades do seu interesse.

ACUPUNTURA NO ESPORTE

A acupuntura faz parte da medicina do esporte desde o início da civilização chinesa e hoje, cada vez mais, é reconhecida como uma terapia auxiliar tanto para desportistas amadores quanto para profissionais.

As lesões mais comuns decorrentes da atividade desportiva ocorrem no aparelho musculoesquelético, ou seja, músculos, tendões, ligamentos, cartilagens e ossos.
A atividade esportiva exige ao extremo da capacidade funcional desse aparelho podendo levar ao limite os músculos, tendões e outros tecidos, com forte risco de lesão.

Quando um músculo está lesionado ou não é preparado para executar uma determinada função (por excesso, repetição ou maior duração) ele pode se contrair de forma crônica, inflamar e ter algumas de suas fibras rompidas. Essas lesões, mesmo que mínimas, acarretam uma complexa modificação da sincronia e do funcionamento harmonioso do conjunto, já que nenhum músculo, quando da atividade desportiva, atua separado do contexto todo do corpo, mas integrado em cadeias funcionais.

O resultado pode ser a ampliação da lesão do músculo primariamente atingido, a extensão a outros na mesma cadeia ou oponente a ela ou ainda o envolvimento de outro tecido, como o tendinoso ou o ósseo. 

Para o desportista é fundamental identificar precocemente essas lesões, ainda que pequenas, a fim de evitar seu agravamento.

A acupuntura pode  tratar a maior parte dessas lesões com grande eficácia. Pesquisas científicas demonstraram a efetividade no tratamento de uma grande variedade de condições relacionadas ao esporte. Dentre elas estão incluídas algumas de difícil tratamento como: epicondilites, dores femoropatelares e lombalgias. Quanto as osteoartrites dos joelhos a acupuntura se mostra capaz de proporcionar alívio da dor em muitas circunstâncias.

Entretanto, não só no tratamento das lesões musculoesqueléticas a acupuntura pode dar sua contribuição aos atletas, sejam profissionais ou amadores.
Sabe-se que exercícios exaustivos podem provocar fadiga excessiva com repercussão sobre o humor e o sistema imunológico. Essa é outra linha de investigação que pode ligar a acupuntura à recuperação de atletas. Foi verificado que um grupo deles submetidos a acupuntura apresentava aumento de imunoglobulina A e do cortisol na saliva e menores taxas de fadiga e confusão, parâmetros avaliados pelo questionário do Perfil dos Estados de Humor (um teste psicológico de avaliação de estados distintos e transitórios de humor).

Esses dados são importantes e ressaltam a importância da acupuntura como método preventivo e de tratamento para atletas. Como sabemos, os riscos da sua aplicação são mínimos em oposição aos benefícios observados. 

Perguntas frequentes:

O tratamento do atleta amador é igual ao do atleta profissional?
R: o que há de diferente entre essas duas categorias de atletas é a exigência existente sobre eles. Os atletas profissionais possuem uma agenda de competições que são parte do seu trabalho e envolvem muitas questões. Sendo assim, exigem uma recuperação mais rápida e nem sempre podem destinar tempo suficiente para que ela aconteça de modo ideal. Não é raro que esses sejam motivos para que convivam com o problema e se submetam a tratamentos agressivos e radicais. O atleta amador não tem os mesmos compromissos e poderá se dedicar mais a sua recuperação, não estando sujeito a pressões de toda ordem. Este é um grande paradoxo.  

O tratamento pela acupuntura é mais demorado do que outros métodos, como o uso de remédios e fisioterapia?
R: O atleta de uma forma geral tem uma boa saúde o que facilita a recuperação proveniente do trauma pelo exercício. A acupuntura é bastante eficaz e às vezes surpreendente pela rapidez com que proporciona alívio da dor frente a uma lesão do esporte. Evidente que tudo depende da avaliação quando ao tecido lesionado e a extensão da lesão. A melhora da dor é um bom sinal, entretanto, é preciso lembrar que além da dor há um tecido lesionado que necessita tempo para recuperação. A acupuntura além do efeito analgésico atua no relaxamento muscular, na diminuição do edema e do processo inflamatório, possuindo uma ação ampla, abrangendo as funções de muitos medicamentos. O acompanhamento atento por parte profissional médico é, no entanto, importante para avaliar a evolução do processo e o momento certo de retorno as atividades.

Só quando surgir dor deve o atleta procurar a acupuntura?
R: a dor é um sinal de que algo não está ocorrendo a contento. O atleta deve estar atendo a sua presença como forma de prevenir o surgimento de uma lesão mais grave. Os atletas profissionais possuem hoje um grande aparato de avaliação fisiológico capaz de determinar o desgaste físico e com isso prevenir o desenvolvimento de lesões. De todo modo, a dor é sim um sinal importante e de alerta, mas não o primeiro. A dor espontânea não é o único parâmetro para a indicação da acupuntura. O exame feito pelo acupunturista pode identificar áreas não dolorosas espontaneamente, mas que são reconhecidas por ele e que devem ser tratadas. Um retesamento muscular pode ser o deflagrador de uma lesão maior futura, assim como um ponto doloroso a pressão. Esses são sinais de que a restauração do equilíbrio deve ser procurada.

É importante ressaltar que o atleta amador que não tem com a mesma frequência e facilidade exames para avaliação do estresse, como o muscular,  podem indicar fadiga que predispõem a lesões.

A acupuntura é utilizada isoladamente ou junto com outros tratamentos?
R: mais uma vez é preciso dizer que depende do grau da lesão. Como tratamento preventivo, identificando pontos de bloqueio, restaurando o equilíbrio do conjunto musculoesquelético e diminuindo o estresse ela se associa aos exercícios preparatórios ao esporte; o alongamento e a musculação, a equipagem correta e as boas condições para a prática desportiva, que não devem ser negligenciados mesmo pelo atleta amador. Quando instalada a lesão, como já dissemos, às vezes em horas ou poucos dias conseguimos a melhora. Entretanto, lesões mais complexas com duração de algumas semanas pode requerer a complementação fisioterápica. A complexidade do problema exige a combinação de métodos de tratamento realizados de modo integrado.







Rua Marquês de São Vicente, nº 124 - lj. 210 e 211
Gávea - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22.541-040
Fones: (21) 2294 4113 / 8743 5530